quinta-feira, maio 29, 2014

E eu te perdôo por medo de mim

Um breve olhar adentra meu sol
e nada dói mais que teu beijo esquecido
Ah como podes beijar meu passado
sorrir meu adeus e cantar tão longe de mim

Sei que a mim nada resta
mas sua solidão penetra minha caminhada
por madrugadas sem sono
ainda durmo noites perdidas
e ainda assim luto por este nada


Além de  uma ardência funesta,
carrego seus risos que ouço soltos e
como  um louco nascente revigoro futuros

E tomo de assaltos esperanças como soldos
pois amar não foi meu ultimo desespero


 E eu te perdôo por medo de mim
como queria  amar nada mais que teu corpo
e entre ofensa e promessas
 não é mais que fingimento todo meu teu sentir?

R.B.Santana



Nenhum comentário: