quinta-feira, abril 04, 2013

substancia

Você ta ai no mundo, você ta ai no meio dessa sujeira, dessa pobreza, dessa merda de pobreza e pensa em poesia, e pensa em morrer, você sabe que pode nem comer, nem mesmo dormir e tem os espetáculos da miséria, da miséria da normalidade, e você sabe que poesia é uma tentativa de não ser você, uma outra porcaria, uma fachada que lhe permite um status, uma especie de redenção. Seus amigos são pessoas sem esperanças, analfabetos em suas formações acadêmicas, buscam dinheiro, buscam alimentar suas proles, verem suas mães sorrirem e você desfila por eles sua arrogância de poesia, de prosa e de literatura.
Então a poesia te dar outros amigos, os outros, os que escrevem poesias, são belos, são ricos e são sorridentes e você ta ai em um outro mundo sem nada seu e a sua poesia é uma não poesia, é uma outra busca, sua poesia agoniza em sua triste sina de ser o outro do mesmo e você afunda e pensa em largar o que nem mesmo tem, então largar é alcançar é morrer em sua decima tentativa de morte e você chora e seu choro não é alivio, não é triste, não é comovente e você pensa em escrever poesia, então você ler CAL SOLOMOM e se assusta. Você sabe que a roda gira e gira e gira e Cal e você e gira e então você não pode firmar nada em você e apenas escrever o que palavras nenhuma pode dizer, então você queima papéis e palavras e papéis e mais palavras e quer encontrar o que não tem, o que não pode e você lembra da fome e descobre que a pior fome é dos que comem e de novo você pensa em viver e escrever e seu sorriso assusta e seus amigos agora são outros de outros e dos outros, você rouba amigos, você busca amigos e suas palavras são fabricas de inimigos e você pensa em viver em viver em viver e se pergunta pra que?
Então o passado é agora uma brincadeira de bonecos e você gentilmente pode dizer bom dia, boa tarde, boa noite e depois chora de raiva de impotência, aquele babaca me odeia. É, você ainda pensa na miséria, a miséria não lhe abandona, a sua poesia é uma capa, a miséria sua substancia e você corre corre e um louco lhe pede a mão e você bebe,vomita e emfim dorme em paz, mas você vai acordar maldito, vai acordar e um belo dia vai te olhar e lhe lembrar tudo de novo e um normal vai passar e como se empunhasse um colt vai olhar na sua cara e vai dizer
- Bom dia irmão Deus ama você.


ronaldo braga

Nenhum comentário: