quinta-feira, janeiro 05, 2012

noites do nada

e por entre as noites
fugindo das dores sorridentes
sou as sobras dos fastios
que escurecem todos as esperanças
e alimentam os medos nas memorias laceradas

e por todos os lugares visitados
sinto as lascas de nervos que escapam dos beijos
e perpetuam nojos nos meus lábios dementes

e por qualquer outra coisa
chego com as vidas que escapam da própria vida

e por muitas outras coisas
sou o silêncio em carne embrutecida
cantando o fogo e a pedra
nas tardes modorrentas
sim sou pedaços de um nada
por outro nada esquecido

ronaldo braga

2 comentários:

anjobaldio disse...

Ronaldo, grande poema. Espeto que você sempre seja esse homem de TEATRO, com quem tive a honra de trabalhar por vários anos. Grande abraço.

anjobaldio disse...

onaldo, grande poema. Espero que você sempre seja esse homem de TEATRO, com quem tive a honra de trabalhar por vários anos. Grande abraço.