sábado, outubro 15, 2011

SONHAR, CANTAR, SONHAR PARA DESPERTAR

porque não pedir a lua?
porque não dispor
constelações inteiras nos olhos
até que se atrevam a sonhar?

G.M




Que se passa entre os meus sonos?
Por acaso ainda respiras vida minha?
Deveria despertar deste sonho ? – Diz ela
Sem abrir as pálpebras
Pois por ti as moscas foram aviões de guerra
e o amor entricheirado
sofrendo bombardeios em sua única missão...


2
O que acontece com os seus dedos, poeta?
É a palavra ou é a luz que brilha?. O que você leva
em seu relógio de areia?...Eu suspeito que guardes ai
vários desertos, poeiras estrelares e lagrimas petrificadas.
Suspeito.... que é puramente sonho.... e que estou a falar sozinha
e quando despertar, vou enrubrecer
mas isto é incontrolável ...

3

Quem é esta pele que se desprega
indicando a mim três caminhos?
agora parado frente a eles
tenho a opção de enfrenta-los descalça
ou sobrevoa-los... Que achas que farei?

4
Ouço uma campainha. É um som alegre
amado pelo vento que chama. Poderia ser
de uma voz… não posso confirmar…

5

Corro até o que de longe parecia um pico
e caio em mim, pois não tem pico nas planices,
nesta não. Que golpe! não?...não?...
e porque não me surpreendo?.

6

Tenho breves pesadelos recorrentes:
seres inflados como globos a ponto de explodir
acentos, relógios, palhaços…coisas… coisas
estranhamente gigantes
sufocantes
e labirintos por onde corro despojada de tudo
menos de minha coleção de plumas.

7

Em um sofá com pés de leão
tentaram ouvir segredos deste coração
que leve e descontraído
se conteve por vários minutos
até escandalizar. Assim foi que o muito
esperto em versos burlou as normas
e tomou as rédeas dos meus sonhos
para sempre.
Eu do alto de minha sagacidade, tenho meu diagnóstico
e para mim receito sutilmente:
tabletes de chocolates para reencontrar doçuras,
batidos de frutas e sementes
e beijos todos os dias, gigante
da lua.


corri para ver pela última vez

esse tubo de alma branca radiante
e sentir o ar fresco em meu rosto
Eu sabia que era hora de subir no meu galho favorito
e cantar, cantar, cantar como um pardal
para suavizar a ansiedade de escrever
e recuperar o fôlego
ou a noção perene desta mistura entre
ficção e realidade.

Uma pergunta continua sem resposta:
"Porque não pedir a lua, vida minha?" descalça
ou sobrevoando? Que achas que farei?.-


Graciela Malagrida
tradução ronaldo braga

http://uni-versovirtual.blogspot.com/2011/08/sonar-cantar-sonar-para-despertar.html

Um comentário:

graciela malagrida disse...

ya mismo a facebook! Brigado Ronaldo amigo mío!
siempre le agregás valor a mis letras y con ello, alegría a mis días
te adoro!