terça-feira, fevereiro 01, 2011

El Infierno de Luis Estrada



Assisti agora em janeiro 2011 um filme chamado “El infierno” do cineasta mexicano Luis Estrada e pensei o por que o México faz um filme assim e o Brasil recentemente realiza pasteis pasteurizados que são chamados de filmes brasileiros? Acredito que filme brasileiro é aquele feito com o leite das tetas do estado e que servem pra enriquecer alguns e enganar muitos.

O que faz um filme deixar de ser filme pra ser filme francês, ou filme brasileiro? Pra mim ta no conteúdo, na forma final, na trajetória de atores, roteirista, direção e outros envolvidos e não uma placa enorme bem luminosa avisando aqui é filme brasileiro. Ridículo se não fosse pelos interesses escusos que cerca o entorno destes filmes brasileiros.

O filme “El infierno’ AO CONTRARIO de coisas menores como tropa de elite dois, não busca fazer a cabeça de nenhuma pessoa, antes deseja mostrar uma realidade dada e com uma clara proposta estética permitir com o seu formato e o seu conteúdo que o cinéfilo tome suas próprias decisões.

Tropa de elite dois um filme menor com pretensão de grande coisa vem somente justificar os atos do estado fascista que governa o Brasil desde Cabral, não detona nenhuma realidade, antes afirma, pois quem é o outro senão o próprio estado.

El infierno trabalha a realidade humana sem supositórios, não há mocinhos, não existe gente inocente, existe sim uma realidade maior na qual cada um se move e busca o seu melhor. Um filme que brinda a emoção e o intelecto e que não me chama de burro, não quer me ensinar como eu devo ver a policia e o traficante mas me diz que eu devo pensar sobre o estado de coisas da própria política que leva a este caos e não adianta se caçar traficantes e nem policiais corruptos, pois todo policial é corrupto, mesmo quando legalista, uma vez que o legalismo é um tipo nojento de trafico e é a defesa do estabelecido da merda tal qual está posto ai.

El infierno nos leva de encontro ao nosso próprio inferno e antes de condenar os maus, devemos nos condenar e tomar a nossa decisão sem hipocrisias e nem preceitos evangélicos. Devemos fazer aquilo que tem que se feito e pronto.

Um brinde a “El infierno” pois o céu é um pausa rápida e mentirosa.



ronaldo braga

3 comentários:

Anônimo disse...

adoraria assistir.
e o q vc falou eh a pura vrdad sobr tropa de elite
o ultimo filme nacional c/ conteudo q eu assisti foi batismo de sangue

andre disse...

Me sinto na obrigação de assistir a esse filme.
Quanto a qualidade da produção nacional: Ela existe?
Até quando aguentaremos tanta manipulação de massa e tanta indução hipnótica?
Abraços!

Anônimo disse...

Gostei da resenha, devo gostar do filme! Vou ver...


Amenon