terça-feira, novembro 02, 2010

cara a cara com o inferno

Estou discutindo a palavra amizade, o que será que existe de verdade nessa palavra e nessa relação detonada por essa palavra? A amizade comercial financeira, amizade grega, a amizade militar, a amizade partidária, a amizade sexual ou a amizade afetiva?
Tenho tido muitas violentas crises de identidade, principalmente comigo mesmo, ou seria possível com outra persona?
Hoje o mundo preto e branco, respira o ar dos finalmentes e das finalizações, pessoas azedas compram sorrisos e bares exigem educação e controle, controle? Estranho o mundo dos espertos até mesmo nos bares, nos estádios estão querendo controle: Amigo o negocio é beber e ser educado, falar baixo.
Eu sou um estúpido ateu, que permito à minha tristeza planos de crescimento e deixo rolar toda a minha virulenta violência, eu gostava dos bares e saibam que se tem um lugar que eu tinha amigos era nos bares, mas isso nunca impediu que eu sempre levasse porradas de clientes e donos, eu sei que aprontava e então os bares fugiram de mim e eu pude sorrir levemente e fechar os olhos e sonhar bombas vermelhas arrasando quarteirões. Eu não sei como os outros se saem nessas situações, eu sempre saio perdendo.
Alguns amigos te exigem fidelidade, mas são infiéis, outros te pede demais e poucos nem te conhecem.
Antes, no negocio da amizade é preciso atenção na descida do esparro que a alegria alavanca, um amigo novo sempre chega bem devagarinho e quando você percebe já ordena e organiza teu inferno.
Na primeira juventude amizade é afirmação e o re-re-reconhecer no outro o você e você nas ações de um outro-eu-mesmo, depois é necessário emprego, dinheiro, mulheres e por outro lado a amizade agora é a base de um sucesso que fracassado já nasceu, mas que nem mesmo você sabe. Os dias viram décadas e então nos cabelos brancos a amizades é memória, constatação, decepção de um você arrancado até seu ultimo desejo e então amizade é solidão.
O ideal seria não haver este encontro, gostar do que em uma pessoa?
Eu prefiro gostar das ações e hoje a distancia me parece o melhor remédio, encontros nos desencontros, pois amigo mesmo é o seu inimigo e ele pode ser a diferença entre a tua imbecil esperança e a tua vitoria caliente.
Preservo em minha memória ainda desejos de encontros, salutares conversas e alegrias furtadas de uma dor maior desconhecida, que a população do século das luzes jogam para baixo do tapete e punem com severidades àqueles que preferem o cara a cara com o inferno e que escarram sem nojo o próprio rosto.
Pessoas são tolerantes e nada amantes, antigo reflexo de um perigo imanente em um passado hostil e tenaz, covardes pessoas programam futuros em perdidos presentes e se armam, se enganam, se escondem quando amam, e ai são sempre super homens e super mulheres, mas basta o acender das luzes e primatas mostram a cara de bicho, o respirar animal e como disse artaud um ser humano sem controle é apenas um estúpido animal sexual.
Artaud tem razão eu sou apenas um estúpido animal sexual
Amigo, amizade é negocio e negocio se ganha e se perde.
Mas o que me não espanta
É que você-eu quer só ganhar.

rbraga

Um comentário:

pianistaboxeador21 disse...

Billy the kid e pat garett foram amigos e veja o que acabou acontecendo. Jesus e Judas tb.
As coisas vem, as coisas vão. Talvez em vão e isso é triste.
Sempre sem meias palavras, Braga.
Gostei.