sábado, setembro 04, 2010

escrever pra que?

Sou graduado pela Universidade Federal da Bahia em Direção teatral e especialista pela UNEB, em pesquisa em ensino e educação
Nasci, em Cruz das Almas, numa madrugada fria, no dia 04 de junho de 1959, as brumas cobriam a minha cidade quando o meu primeiro grito ecoou no ar do mundo. Escrevo para caminhar por entre as minhas dores e infortunios e ainda sorrir.
Escrever é portanto o unico ato de cura para uma alma que perdeu toda fé nos céus e se sabe fincado na terra.
Não busco estradas leves e curtas, antes apenas encontro passagens, por entre meus constantes pesadelos, para os lugares intricados dos meus sonhos.
Há tempos eu não escrevo, primeiro nada está me interessando, depois eu mesmo acho que a desilusão é apenas uma outra ilusão e eu escrevo porque sofro, e na verdade esse meu sofrimento não é um sofrimento cristão, não é um sofrimento pelo outro, não, o meu sofrimento é talvez estetico, ou talvez por eu me sentir como se eu fosse duas ou quatro pessoas ao mesmo tempo.
Já houve tempo que eu escrevia sobre as misérias do mundo, mas elas não me interessam mais, hoje é a minha propria miséria que me arrasta ou que me move. A fome, a violencia e o desemprego eu vejo como parte de uma ficção, onde os personagens se divertem por serem miseraveis. Eu me cansei de todo tipo de humildes, eles são a propria desgraça, eles são completamente anti-vida , eles são capazes de sofrerem, mas não mudam a forma de encarar o mundo. Eu não posso mais me inquietar pela vida de outros, é que eu não acredito em nenhum tipo de representação, eu não voto em nenhum candidato em eleições sejam proporcionais ou majoritárias, eu não acredito em sinceridade e muito menos em bondade, sou um egoista em busca de egoistas, nada mais.
Agora eu escrevo por me sentir completamente empanturrado e a escrita é o unico remedio que eu sei que vai melhorar o meu quadro, sei que não vou ficar de bom humor, mas tenho certeza que aquela maldita dor de cabeça vai me deixar. Escrever pra mim é como tomar comprimidos para dor, principalmente de cabeça. Antes eu escrevia pra me exibir, conquistar garotas e provar a mim mesmo que eu era um bom escritor, hoje escrevo pra expulsar anjos e demonios e, assim, talvez dormir em paz.

Ronaldo Braga

Um comentário:

Luciano Fraga disse...

Braga amigo, um fatal exorcismo! Resgate e expiação. A escrita não tem endereço, destinatário, ela é...Abraço.