quarta-feira, janeiro 13, 2010

andando com o abismo
encontro laminas em meus passos
e seriamente abalado
espero o mal em meus braços
sei sou um nefasto andando nos muros da bondade
acalento desenganos perdidos
e entre seios deteriorados
sussurro flores cansadas.
saibam
sou nefasto como amigo
sempre

desabo risos nas dores e no abandono
e
malandramente
espero a queda do sabido
pois
sou nefasto e quando me aceitam
entalo sonhos nos passados entorpecidos

ronaldo braga

8 comentários:

anjobaldio disse...

Mais um belo e forte poema. Parabéns.

Aprendiz disse...

putz! fiquei aqui lendo tudo. e é tudo tão visceral. tem gosto de vida que se vive viva.
beijo

Diego Pinheiro: disse...

As poesias de Ronaldo Braga me remetem a uma idéia de crueldade, mas não a crueldade que estamos acustumados... É uma crueldade artaudiana para ser mais exato.
Concordo com "Aprendiz", e por isso é visceral, e por isso é um belo poema. A beleza desses poemas é peculiar.

Abraços, professor.

Luciano Fraga disse...

Braga, que final espetacular: "entalo sonhos nos passados..." Aqueles que se acham sabidos(trapaceiros) cairão, como a própria mentira. Abraço.

Braga e Poesia disse...

nelson é bom ver vc aqui

Braga e Poesia disse...

aprendiz fico grato com a sua visita
e viver é assumir o perigo

Braga e Poesia disse...

diego eu sempre vou lembrar do dia
que eu te conheci

Braga e Poesia disse...

fraga vc entende muito bem a minha intenção.