sexta-feira, dezembro 18, 2009

gemidos



Um profundo e curto gemido e nada mais.
O terror era sustentado no silencio de cada olhar incredulo, E aquele insano gemido ecoava desesperadamente nas nossas caras. Eu tentava ouvir monica montone que longe cantava.
Como fantasmas nos sentimos transparentes e abatidos. Era ainda tarde naquela noite que se apresentava em cores belas e cheias, todos os olhares presos no norte, recebiam sons inimagináveis.
O gemido engatinhava nos meus desesperos e espantava o ar quente dos meus olhos, enquanto a monica montone entova sedução em secos cantos.
Sons, noites, monica, risadas, mulheres nuas correndo, tiros e gritos e
no preciso instante de uma cortante risada, eu lutava desesperadamente em varias frentes e simultaneamente. Quem se importava? que se dane, eu continuava a ouvir monica.
O mundo caminhava para o seu insustentavel momento. As pessoas decoraram a cartilha universal, e repetem sempre:
- Somos todos irmãos e uma unica raça.
Era o momento certo de eu cair fora, depois do afago a facada, geralmente no peito, é simbolico e mata mais.
A cartilha já foi soletrada em noites a fio e felizes todos ecoam as novidades.
E aquele imundo gemido difamava uma realidade onde a felicidade dava as ordens. Maldito invejoso gemido.
E o gemido agora caçado aprendia a sofrer nos intervalos e soprava sua dor nas dobras das noites que sempre destruía os meus irritantes nervos.
Monica ainda longe, salvava o meu dia.


ronaldo braga

Um comentário:

anjobaldio disse...

Muito bom Ronaldo. A Mônica é uma grande artista, além de ser muito bonita.
Grande abraço.