segunda-feira, setembro 14, 2009

O QUE É O TEATRO BASE?

http://3.bp.blogspot.com/_9hamhaXalz8/SqnSQKtbVSI/AAAAAAAAAGA/_zFVZZn0tEk/s320/Gaiola_Ensaio+(96).jpg

A base é o que possibilita a sustentação, o que fundamenta algo. A partir da base buscamos o apoio, a partir dela o que se é pensado é desenvolvido, ou seja, sem a base tudo desmorona, fragmenta, se perde. O que seria a base para nós, atores, diretores e dramaturgos? O que seria a base do nosso campo, no fazer teatral?

Na música a base de uma melodia é sua nota tônica, sem ela a melodia seria totalmente desafinada. Sem a base - uma boa fundição - uma casa não se sustenta. Qual é a espinha do teatro? O que faz dele ser teatro e não outra coisa? “A personagem!” a resposta poderia ser muito bem esta, mas o que falar do que os críticos chamam de ‘pós-dramático’, as vanguardas? Bem, sendo assim a base do teatro não é a personagem, e nem poderia ser. Isso nos faz remeter aos primórdios da nossa arte, onde de fato não existiam personagens e sim homens. Seria o homem a base do teatro? Bem, usaremos então a nomenclatura correta. A base do teatro não seria outra se não o ator. Ora, mas o ator não é homem, ser humano? Logicamente que sim, mas um homem com outras funções, poderia se dizer. O homem, puro e só é outra base: A base da sociedade.

Talvez equivocadamente nos informaram que a base da sociedade é a família, bem, nada como um termo social para “nomenclaturar” uma subunidade de outro, moralmente e eticamente falando. Mas é de convir que muito se deixou passar em relação a este microcosmo que é o homem. A partir daí saímos da questão mais sociológica do que é ser - humano e desaguamos na antropologia.

Então chegamos em duas bases: O ator, como base do teatro e o homem, como base da sociedade.

Gaiola_Ensaio (20)

Diego Pinheiro, operário do Teatro Base

Foto de Eveline Ferraz (atriz, produtora e assistente de direção, além de grande amiga e artista... meu outro braço nesse projeto). Na imagem, da esquerda pra direita, Luana Matos, Francisco Vilares e Pedro Albuquerque, respectivamente Biscoito Doce, Lágrima de Carneiro e Brilho nos Olhos. Não só amigos e irmãos do fazer do teatral, mas grandes atores

6 comentários:

Anônimo disse...

Do the right thing is smart to do should not do is ignorance.

SEO

網路行銷

SEO

網路行銷

Reinaldo Sousa disse...

O trabalho de Diego está ficando lindo! E tu tens uma culpa nisso! rsrsrs...
Grande abraço!!!

TEATRO BASE GRUPO EXPERIMENTAL disse...

Obrigado por postar aqui este texto, Braga. É um pouco do que nós queremos mostrar com o "Teatro Base".
Rei, espero que, sim, o nosso trabalho continue lindo que possamos experimentar cada vez mais. Não buscamos algo novo, mas signifcante; é um primeiro passo, creio eu. Que a cada encontro sejamos sempre obtusos para que a "experiência" nos dê direção, pois sempre, nós mesmos e o ser-humano, serão os nossos focos de pesquisa.

Diego Pinheiro, operário do Teatro Base

Abraços, professor...

Marcia Barbieri disse...

Ótimo ensaio sobre o teatro base ou a base do teatro.

beijos ternos

Thiago Cerqueira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago Cerqueira disse...

Olá, Ronaldo.
Quando tiver tempo dá uma passada no meu blog...Gostaria de ler seus comentários como ex-professor e velho trocador de ideias, apesar de não ter tido ultimamente a oportunidade de vê-lo. Acompanho sempre seus escritos. Abraço!!