segunda-feira, março 02, 2009

a escrita de matheus vianna

cancer


cortantes inquietudes que iluminam o oco.
na platéia o ser ecoa súplicas enquanto outros caminham fora do teatro.
caminham em busca de mundos, de outros planetas, de outras galáxias
impulsionados pelos bytes da grande rede, blogueiam palavras de vento em popa.

alguns diriam:
- Coitado. Sozinho... Nesse teatro escuro...

reflexões do que dizer, para quem falar, de que forma?
o mais certo talvez seja de fato, qual a minha ilusão?

seguindo a caminhada no tabuleiro, em uma casa indefinida
palavras enviadas por complexos seres
me alavancam para a luta pela quebra da curva da tal interrogação.

tiro meus sapatos brancos, abandono o cavalo negro e bato em retirada.
me retiro para o sem limites, para o sem paredes, para o sem tempo.


para o vácuo.


e inicio a contrução do minha ilusão.

olhos brilhantes simulam falsos seres.
teatros secretos encobertos por caos nas almas esvaziadas.
resultado: câncer.



Dedico esse farrapo reflexivo ao amigo Braga.
Obrigado por ser.

Matheus Vianna
MvChiev

Um comentário:

Luciano Fraga disse...

Inquietações, reflexões, vazio, este é o resultado ou produto do meio; seres falsos, teatros secretos, muito bom Vianna, abraço.