segunda-feira, janeiro 05, 2009

suas flores não cortam mais os meus espinhos




Era abril,
e na sala
beijos perdidos acalentavam esperas
e luas horrorizadas fugiam de ti.
E teus olhos,
nos olhos de outros mundos
planejavam assassinatos
e
promoviam tédios.

Era abril,
e um frio triste
invertia sons
na tua chuva de flores cinzas
e
em meus olhos teus dentes
eram ameaças solenes ritmadas nos medos,
enquanto teu cú,
olhava faminto as horas e
desejava tudo nos horrores
dos anjos caídos.

Era abril, e
Janelas sopravam sustos
nas asas da mentira.


ronaldo braga

6 comentários:

Linaldo disse...

gostei do poema, ronaldo. consegue ser melancólico e ao mesmo tempo agressivo. abraços

Luciano Fraga disse...

Braga, não podemos mais manter portas ou janelas abertas, exceto os olhos... Grande poema,abraço..

Diego Pinheiro: disse...

Abril... Abril... Sabe, não gosto muito desse mês... Essa coisa todo que está no texto me faz lembrar tudo que sinto no mês de Abril!
Ronaldo, olha, tive a pretenciosidade de fazer um blog, dá uma olhada depois, tá?!

www.pinheirodiego.blogspot.com

Marcia Barbieri disse...

Maravilhoso,você é sempre surpreendente. Perdoe-me a ausência,é a vida...

beijos ternos

Graça Carpes disse...

Esse frio triste, tanto abril!
:)

Reinaldo Sousa disse...

Não é abril, mas concerteza estou sentindo como se fosse. Eu estou em abril.

Ótimo poema!

Grande abraço!