sábado, dezembro 20, 2008

A POESIA DE MATHEUS VIANNA

QUE HISTÓRIA CONTAR AGORA?



Acordei e vi que as dores do mundo ainda estavam preenchendo minha fronha. Arqueiro por excelência atirou flechas em espelhos durante toda noite.
Sem piedade seguir a sangrar meus êxitos com imenso prazer. Astuto. Vendado, apurei a audição ali; nos lindos campos sem flores. E ainda sentado seríamos felizes. Sem flores. Tentei dormir de novo, me cobrir com suas mágoas e mais uma vez mergulhei fundo na solidão. Sem piedade e sem mais nada ouvir, atirei a flecha da amargura no meu denso interior de sonhos. E ainda de olhos fechados me pergunto:
QUE HISTÓRIA CONTAR AGORA?

Matheus Vianna

4 comentários:

Braga e Poesia disse...

bola rolando redondinha.
matheus vianna.
uma poesia inesquecivel.

Luciano Fraga disse...

Matheus,com uma escrita surpreendentemente fabulosa, leve e densa, abraço.

mv disse...

saudações braga. adiante! palavras roladas e bolas na medida da sensação.

mv disse...

mais me admira um belo lançamento de 30 jardas - como uma correspondência certeira - a uma rede balançada em vão. abraços gratos caro fraga.