sexta-feira, novembro 28, 2008

sorriso de aluguel

como em um possesso jogo desesperado
almas sofridas desfilam
poses
em um interminavel carnaval de derrotados.

E os poetas da paz
beijam os anjos em noites de lua preta
e
assassinam a vida em seus belos versos corrompidos.

É um tempo de mentiras,
de vidas interditas,
e de poetas que soluçam sorrisos de aluguel
e insistem
nos fluxos invernosos que extrapolam os verões e
calam os beijos.

E é um tempo de verdades,
pois sei,
no olhar dos amantes a palavra recorta o murmurar
e desafia o cantar surdo
numa canção aos corações soturnos e delicados.


ronaldo braga

3 comentários:

Luciano Fraga disse...

Braga, grande poema, desafiador, esmaga a mentira com uma canção sorrateira e sussurrada que nos deixa encolhidos, acuados num canto,envergonhados de nós...Abraço.

pianistaboxeador21 disse...

Muito bom Braga. Um poema do nosso tempo. Parece dialogar com o poema do Drummond "O tempo é ainda de espera, fezes e maus poemas" E uma lua preta é pra lá de foda.

Bom domingão aí na Bahia.

Abraçço

Dañiel.

Marcia Barbieri disse...

Belíssimo poema, sorrisos mecânico,difíceis de suportar. "almas sofridas desfilam
poses
em um interminavel carnaval de derrotados."
um trecho raríssimo.Parabéns e sucesso.

beijos ternos