domingo, março 30, 2008

o pensamento de Baudrillard


pintura de nelson magalhães filho


Se o ser em si tem a sua hitória, a singularidade, por seu lado, tem o seu vir a ser. E se a história está ligada a um fim ultimo, a singularidade, por seu turno, está ligada ao Eterno Retorno. A história é somente a diferencial da mundança, o Eterno Retorno é a integral do vir a ser.
Não se trata de "se tornar o que não se é" - só nos tornamos justamente o que não somos, assim como só somos o que não temos. Se a singularidade está ligada ao vir a ser é porque não é nada em si mesma.
"Bis Gottes Fehl hilft", nos diz Holderlin ("Até que a ausencia de Deus venha nos socorrer"). Deus é o equivalente geral, em nome do qual tudo muda e se troca. Na ausencia de Deus, tudo pode se tornar e se metamorfosear livremente. Nesse sentido, toda essa história de moeda viva, de fetichismo radical e de vir a ser integral é mesmo uma prestação de contas com Deus. Pois se a própria hipótese de Deus desapareceu, se Deus está morto, como dizia Nietzche, temos ainda que encarar, e por muito tempo, a sua fantasia e suas metástases.

Jean Baudrillard
( a troca impossível.
Editora Nova Fronteira, 1999, pag 135.)

2 comentários:

Braga e Poesia disse...

TEM SIDO UM IMENSO PRAZER LER A TROCA IMPOSSÍVEL DE jEAN bAUDRILLARD.
E na medida do possivel essa troca impossível é não-feita aqui e eu tento incentivar às pessoas a visitarem o universo de Baudrillard

Fenrisar disse...

See here