quinta-feira, fevereiro 28, 2008

a poesia de ZECA MAGALHÃES

... onde lavar as mãos?
não posso deixar de fazê-lo
é absolutamente necessário
ter as mãos limpas
a cada crime cometido

mesmo em pleno deserto
na mais profunda noite
só com as mãos limpas
se está pronto
para o próximo crime.

ZECA DE MAGALHÃES - JOSÉ NARCISO DE MAGALHÃES CARVALHO MORAES FILHO, O zeca de masgalhães, 1959 a 2007

( poema do livro " A OESTE DO MEU CORAÇÃO, EMPRESA GRAFICA DA BAHIA, SALVADOR-ba, 2004 )
O poeta Zeca de Magalhães morreu no dia 27 de fev de 2007, ontem fez um ano de ausência deste poeta alegre, desbocado e que brincava dizendo que era "carlista".
Eu que costumava todos os dias bater um papo com ele, sinto essa ausência ainda como se fosse ontem e não no ano passado. Discordávamos quase que em tudo, mas concordávamos sempre na forma, a forma era nosso ponto de união e o conteúdo nossa discórdia. E assim nosso papo era sempre caloroso, nervoso, mas antes amigável e respeitoso, mas não as idéias. Não respeitávamos as idéias um do outro, e sim respeitávamos um ao outro, éramos amigos das coisas boas e ruins.
Aqui eu mando um abraço a todos os seus oito filhos e também lembro de Alan, seu filho falecido antes do poeta, e que era tambem meu amigo. E força para a sua esposa Bel e a sua mãe.
ZECA VIVERÁ PARA SEMPRE EM MINHA MEMÓRIA.

ronaldo braga
(obs) durante o mês de março, toda semana vou publicar um texto do Zeca, pode ser poema, conto, ou mesmo comentário político, pois este é um site de poemas, cronicas, contos e outros escritos.)

3 comentários:

CACHORRO VADIO MORTO EM NOITE CHUVOSA disse...

Belo poema do grande Zeca de Magalhães.

-Francielle/Luciane- disse...

Belo blog, textos tangentes!
:D

By Fran
http://devassaaar.blogspot.com/

rato disse...

o poeta ainda vive...