terça-feira, junho 05, 2007

VOCÁBULOS MATIZADOS

Escrevo esta noite com todos os meus sentidos aguçados, com a emoção a flor da pele, para que você me receba por inteira, pela primeira vez, de forma única.
Quero que minhas palavras tenham cheiro, tenham sabor e que expresse o meu olhar intenso. Posso perceber que o som adentra cada vocábulo, é sinfônica a composição de cada trecho, de cada linha do meu pensamento.
Não pretendo deixar marcar, as palavras devem voltar imaculadas ao seu lugar de origem...
Neste instante, pelo que conheço de você, a minha presença já começa a ganhar forma e brilho... A minha presença já resume a tônica do nosso encontro literário...
É você mais uma vez navegando na minha mente e eliminando as barreiras e defesas que eu não consigo identificar...
Quero o uso de cores, um vermelho intenso para consolidar todo o momento deste “ir ao encontro de”...
Quero o azul, a minha cor, para acalmar os sentidos e elevar seus pensamentos até o firmamento... quero você transcendendo, em um novo plano dentro destas infinidades de matizes que se mostram viáveis.
Quero o branco, a ausência de todas as cores externas, sem molduras, sem limites, sem amarras...
Quero confirmar que cheguei até você, através das palavras personificadas, como um quebra-cabeça, onde o meu “eu” passa a ser o objetivo do seu jogo.
Quero ainda uma noite intensa, com a magia dos deuses, para que o meu sonho seja sereno e verdadeiro, de forma a aplacar todos os sentimentos que um dia resolvi que valia a pena dividir com você.



Maria Branco

20.04.2007

Um comentário:

Braga e Poesia disse...

A cada texto de Maria o seu estilo fácil nos conquista e nos envolve, ela escreve, fluindo as palavras e envolvendo o publico com suas surpreendentes afirmações,que numa leitura superficial parece interrogações.