segunda-feira, junho 11, 2007

canções para o desconforto

“...numa terra queimada de sol o inverno dorme com a cabeça cheia de neve...”
B. Dylan

Cada coisa agoniza
imprevisível.
Meus pensamentos
desnorteados
exalam seus odores acres
pelos labirintos
de meus miolos.
Acaso:Uma constelação violácea
os acolhe
no seu desalento
e eles com estilo
maldoso
ruminam soberbas...
Eu sou o tempo
que rema lerdo
indiferente às águas
dos contumazes caprichos
de destinos embriagados
raptados por vendavais
caducos
que rejeitam
despertar
para o receio
do velho caos...

Poesia de LUCIANO FRAGA

2 comentários:

Braga e Poesia disse...

Mais um poema grandioso, belo, um poema que tem uma atmosfera, um mundo a parte, uma realidade unica.Luciano Franga sua poesia é pura arte, revela não somente informações e sentimento , antes faz imperar um novo existir, um mundo seu.A cada poesia de luciano eu sinto a lacuna que é não ter ainda um livro do Poeta Luciano Fraga circulando nas mãos dos brasileiros.

Anônimo disse...

ADOREI!!!!

Veja como o caos é produtivo!!!

Na frente, na fresta, na aresta, submerso ou a tona...

O caos é a descoberta, o acontecer, a implosão que explode e provoca!!!!


Verônica