segunda-feira, maio 07, 2007

A POESIA DE ANA RUSCHE ( LIVRO RASGADA)

POSSESSÃO

Ás vezes aquele corpo não era meu
- um outro me possuía todo.
A noite é lenta, escura e difícil
e aquele meu corpo rude já fora de muitos.

Ele tinha ódio desses passados,
esfaqueava fantasmas nos lençóis
num círculo em volta da cama.

Dizem que o amor era a entrega.
A ampulheta escorria,
ele iria me perder rápido como tantos outros.
A noite é lenta, escura e difícil.


MINHAS AMIGAS

Não tinham a mínima idéia do futuro.

Mas descobriram
que a vida - por si só -
bastava
e era imensa.

A rara sabedoria
das gatas cochilando ao sol.


ORIENTAR - SE

Seus olhares de soslaio
me inquietavam como o estorvo
de uma grande pedra larga no
meio do mar da plantação de arroz.

Mas enfim nos meus se centraram
e era uma pedra tranquila
como um único ponto fixo
no meio de todo aquele aguaceiro.


ORIENTAR - SE ll

nua, olhos puxados de sono,

que os ventos novos que acariciam o leste
não enlameiem a flor de lótus
com esse nosso charco de imundície azul.

ANA RUSCHE

http://peixedeaquario.zip.net

2 comentários:

ronaldo braga disse...

a poesia de ana é uma nudez estética

anjobaldio disse...

A Ana Rusche é uma das maiores poetas da literatura-brasileira- contemporânea.