terça-feira, abril 03, 2007

OLHOS DE M A R I P O S A

“...o homem que nunca muda de opinião é como a água parada, & cria répteis na mente.” W. Blake


Fico assim lambendo,
remendando
as seqüelas,os buracos
na procissão dos fracassos
que deploro em mim...
Não refletem no espelho
em nenhum aparelho
ou qualquer coisa afim
que repare
o mau hálito da prudência
na fraqueza que emula
pensamentos que aleijam
idéias que apedrejam
os racistas que bajulam...
Dores não confortam
mortes que abarrotam
o sexo que não cabe
na loucura que invade
o tempo que atormenta
a avareza que atenta
o medo que simulo
o amor que não esmurro
no grito que não dou...
Este animal absorto
que adestro com mazelas
na balbúrdia do albergue
deveria está morto
reconheço abismado
que sou eu;
vivo...

Autor: LUCIANO FRAGA

4 comentários:

ronaldo braga disse...

luciano fraga a vida é realmente incrivel e ler este poema seu é como tomar uma aula de etica e caminhar dentro da medida imposta pela contradição, somos apolineos e somos dionisiacos dentro das medidas e para não envelhecer e nem perder o rumo um mantem o outro firme: a contradião é a mãe do saber viver.

Alyne Costa disse...

"Se estou me contradizendo? Muito bem, estou me contradizendo! Contenho multidões!"Hermann Hesse

Por isso que canto as várias que me povoam, lindo poema, Luciano!
Que alcance o céu!

manoel azul do corta jaca disse...

aqui estou comentando luciano numa sextafeira que dizem ser santa. e um texto que realmente é santo.

ederson disse...

ronaldo..eu tive que apagar minha caixa de entrasda em meu email entao estou seu seu endereço me mande um email!abraço1