sábado, março 03, 2007

TRANSE

Pra Noélia

Como é doce a lembrança de outras faces
e mais doce ainda a presença desta
que ao encontrar em meu ser uma fresta
adentrou de mansinho, sem disfarces.
Delícia que me leva à realidade
firma a certeza na ilusão vivida,
pois se é nula a confiança nesta vida
frustrada está, então, toda a verdade.
Não tomei nota da palavra medo,
esse colosso que atormenta e cega,
assim vivo o que ao homem não se nega:
inundo planaltos e quedo cedo.
Embora sinta a rigidez da morte
insisto em ser senhor da minha sorte.

GUSTAVO FELICÍSSIMO

2 comentários:

Miguel disse...

POETA BAIANO DAS TERRAS DE MARÍLIA, ZANZA PELO MUNDO LEVANDO LIRISMO E VERDADE, NUNCA A OMISSÃO, O EM CIMA DO MURO. POETA DA NOVA GERAÇÃO BAIANA, AINDA INÉDITO, MAS COM FARINHA NO SACO, SEM COPIAR NINGUÉM, COM VOZ PRÓPRIA E MELODIA EM VERSOS QUE PASSEIAM POR DIVERSAS TEMÁTICAS.
PARA MIM, FELICÍSSIMO E NÃO TRISTÍSSIMO COMO UM VAGABUNDO O CHAMOU CERTA FEITA PELO ORKUT, GUSTAVO É UM DOS GRANDES POETAS QUE TENHO O PRIVILÉGIO DE SER AMIGO E COMPANHEIRO DE FARRAS, SOLTA TEUS VERSOS GUSTAVO QUE A BAHIA TÁ ORFÃO DE GRANDES POETAS...

Gustavo Felicíssimo disse...

Ronaldo, obrigado pela gentileza de publicar meu poema em seu blog, ele marca um momento transitivo em minha existência. Dom Miguel Carneiro sempre foi muito gentil com meu trabalho e os elogios dele muito me alegram pois ele é um dos poetas brasileiros que admiro.