segunda-feira, março 12, 2007

TEXTO PROMETIDO

Todas as tarde eu faço o ritual que definimos como sagrado em nossas vidas, e você nunca está presente, embora eu tenha lhe convocado diversas vezes...

Na verdade, esta sua forma presencial por vezes me deixou incomodada, pois se trata de uma presença incontrolável, já que eu tenho você comigo durante todos estes anos e não tenho nenhum domínio sobre este fato. Mais uma vez você ditando as regras, de forma tão imperativa. Acho que este aspecto foge ao ritmo que tentei impor à nossa relação.

Eu sempre quis tê-lo comigo, o ideal seria transformá-lo em pílulas de conhecimento e criar uma rotina para que fosse cumprida em determinados horários....

Não que eu esteja subestimando a sua forte presença em minha vida, não entenda também como um ato egoísta de dominação... isto jamais ...

Na realidade tenho necessidades específicas e verdadeira paixão pelo conhecimento...o conhecimento acadêmico, da alma, dos sentimentos mais profundos e principalmente da capacidade de processá-los ( não sei se esta capacidade e dom que lhe é inerente, seria passível de transformação em pílulas... ) só sei o quanto preciso e persigo esta idéia...

Não sei o quanto você pode perceber estas lacunas... não sei...
Temo que estas lacunas sejam preenchidas e coloque por terra o sentido da busca...

Eu quero mais, eu quero sempre e não economizo nos desejos. Eu na verdade alimento o real crescimento destes.

Às vezes penso o quanto o tempo vai se esvaindo e você não chega... o ritual prossegue sem a sua presença, sempre. Desta forma, quase uma rotina insuportável, quase um princípio da percepção da insanidade que regem as nossas mentes, quase uma cerimônia, quase um encontro de almas .isoladas, afins, incansáveis e desafiadoras... o ritual que você não enxerga, que você ignora, que você finge não ter conhecimento dos fatos...

Eu te perdôo hoje e sempre, pelo simples fato de que dependo de você, embora conteste, dependo da sua bondade divina para sobreviver às intempéries da minha alma... dependo da sua aprovação para atingir o grau máximo da pureza dos pensamentos... dependo de você para atingir a liberdade literária, o grau máximo das incertezas que movimentam o universo e revelam todo o inconsciente...

Você nunca imaginou que nossa conversas atingiria este nível de confissão, você não imaginou nunca que eu voltaria a tocar neste ponto... portanto, já que tudo assumiu um caráter irrevogável, posso finalmente admitir que você jamais terá acesso a estes pensamentos insanos.




Maria Branco
09.03.2007

Um comentário:

Nelson Magalhães Filho disse...

Todos nós temos nossos rituais. Às vezes insanos, outras vezes não temos consciência nem domínio sobre eles.