sábado, março 03, 2007

SALTOS, SAPATOS E A VARIEDADE DO SER

Eu nunca pensei em colecionar sapatos, afinal, pelo ponto de vista genético, esta certamente não é a minha mais forte aptidão.

Tenho horror a coisas muitas, o pouco me basta, ou basta-me às coisas, não muitas, mas variadas. Este é o ponto: VARIEDADE!. Isto sim: tenho sede de variáveis não pré-fixadas, daquele tipo em que o valor não é fornecido, levando automaticamente a um processo de investigação. Isto mesmo, INVESTIGAÇÃO!

Nunca entenda este processo com o sentido mesquinho da bisbilhotagem, isto nunca! Investigar sempre de forma científica, esquema técnico de laboratório.
Pelo que te conheço, você já está imaginando aqueles frasquinhos borbulhado, cheio de líquidos coloridos, mas não é nada disso. Quando digo laboratório, na realidade me reporto ao processamento das informações, a seleção minunciosa dos elementos que fazem parte do elo sistêmico.

Sei que te assusto neste final de tarde, início de noite e aquela sensação de que tudo se esvai... aquela sensação de que devo cuidar para que você não passe, se passe ou me passe, afinal a idéia é do caminho paralelo, com breves encontros que nortearão sempre o sentido da busca...

Continuo buscando, em breves passos, muitos sapatos, muitas palavras, muitos sentidos e sempre volta aquela velha certeza de que tudo isto pode não te levar a lugar algum.

MARIA BRANCO
(TEXTO DEDICADO PARA QUEM AINDA BUSCA...)

2 comentários:

Ederson Baptista disse...

olá ronaldo!bom texto.estou te mandando um endereço de um blog neste blog de um amigo ilustrador estao postadas uma previa de fucsia....de uma olhada quando puder!

www.xilaveca.blogspot.com

Braga e Poesia disse...

maria um belo texto pode acreditar