sexta-feira, março 23, 2007

PERNAMBUCANAMENTE

Eu quero me pernambucar
andar por Olinda
para ver o Homem da Meia-Noite desfilar
caminhar pela Rua da Aurora
onde aquela morena ficou a me esperar
ir no sebo do Brandão
correr tudo que é estação
e procurar a primeira edição
de Bandeira, Carlos Pena e Jomar

Eu quero me pernambucar
cair na bagaceira
até o Galo da Madrugada passar
procurar pelos meus parentes
os Carneiros Leão que vivem por lá

Pedir a Lia
que me cante uma ciranda de Baracho
e uma outra da Ilha de Itamaracá
vou conhecer o filho de Samico
dá um pulo em Bezerros
para ver J. Borges me desenhar

Eu quero é me pernambucar
quero revisitar Miguel Arraes de Alencar
que governou à contragosto dos militar
vou passear por Cabrobó, Tacaratu, Orocó,
Carnaubeira, Penha, Itacuruba,
Afogados de Ingazeira, Exu, Inajá
vou até Limoeiro, Lagoa do Ouro,
Santa Maria do Cambucá

Vou pedir a Luiz
para me cantar um baião,
aquele de José Dantas
e visitar Tamandaré, Cacimba do Padre,
Morro do Pico, Coroa do Avião,
vou zanzar pela Zona da Mata,
pelo o Agreste e pelo Sertão

Quero reler Avalovara,
vou mudar a minha cara
quero dançar com os índios Kapinawá,
Pankararu, Xucuru, Truxá
Quero viver em Pernambuco
Quero me pernambucar
Recordar Gregório Bezerra
rumar pra Serrita
e beijar Dom Hélder
para eu poder me humanizar
Quero viver em Pernambuco
Quero, quero me pernambucar

MIGUEL CARNEIRO

Um comentário:

Braga e Poesia disse...

MAIS UMA POESIA DO MIGUEL A CANTAR A VIDA SEM ESQUECER DE DENUNCIAR O QUE DEVE SER DENUNCIADO