terça-feira, janeiro 30, 2007

sem titulo

Você pensa que estou esperando.
a ausência,
que não chega nunca
com as tarântulas acesas
nem nas vísceras mais escuras
que estupradas pelas brasas
da noite-erma
pudesse me deixar só
e pouco importa.
Mas não é isso que me move para o mar
meu bem, pouco me importa
se a tesoura vertida
amolada pela minha cara de cão
crava tua alma no espelho
aceso dentro do mar.


A cidade arde
cutucou minha cabeça
com uma varinha suja

e todos agora somos
bichos nocivos.

NELSON MAGALHÃES FILHO
(poeta do mundo e da cidade das sombras. Artista que com uma tenacidade gigante vem enfrentando os inimigos da vida e insistindo em versos e tintas e palavras - cores, a certeza de uma vida coragem e antes uma vida com dignidade. O Nelson me apresentou poetas vivos e mortos e ainda é uma referencia para mim. A cidade das sombras em sombras gigantes e becos inviolaveis acorrenta os seus poetas, os seus artistas e o Nelson soube separar joio do trigo e sem raiva mandar os malditos embora. Obrigado Nelson: por sua poesia;Por sua pintura; Por seu teatro e mais ainda por sua capacidade de sorrir para os mediocres.)

Um comentário:

luciano fraga disse...

Ronaldo,várias coisas medíocres nos são oferecidas,apresentadas.Ás vezes prefiro o silêncio por resposta e lembro-me deste poema de NMF,penso:"não é isto que me move para o mar..."Este é dos poemas de Nelson que mais gosto.E é "antigo"...atual.