terça-feira, janeiro 16, 2007

sem titulo

Quando
você exibiu,
um eterno
sorriso cor de abril,
o meu
inverno
inverso,
em febris
noites
te perdeu,
nas sombras
e
auroras
fugazes.
Quando verão
tu
nem
me
reconheceu.

ronaldo braga
dezembro 2000

4 comentários:

ana rüsche disse...

a construção me lembra um pouco um poema do joca, postarei para vc ver e te aviso.

obrigada pela visita e pela raiva, as coisas andam insuportáveis.

beijos

ronaldo braga disse...

que bom ter vc por aqui.bjs

Nelson Magalhães Filho disse...

Quem nunca passou por isso, hein? Talvez nem todo abril seja cruel, ou nem todo anjo seja terrível. Rilke e T.S. Eliot de mãos dadas, esperando a chuva passar.

Anônimo disse...

RONALDO,
o Renato Suttana publicou no portal dele um texto teu,
olha aí o link de tua página lá:
http://www.arquivors.com/rbraga2.htm

grande abraço,
Miguel Carneiro