quinta-feira, janeiro 04, 2007

lua negra diabólica da minha janela

lua negra diabólica da minha janela
roça tua pele insólita
de areia lambuzada tão soturna
com os morcegos
alheando-se de meu quarto
as feridas já são dentes crivados
no corpo
vejo gente navegando na cinzeza
das ruas
- gengivas rasgando a língua
língua colada boca-a-boca
as pessoas tão ocultas
em meu corpo lodoso das esperas roídas
lua negra diabólica da minha janela
roça tua pele insólita
não quero morder tua
boca queimando as neblinas
da vaguidão.

Nelson Magalhães filho

2 comentários:

Anônimo disse...

Esse Nelson Magalhães Filho com esse poema AVÔ me lembra uma viagem pela noite da rua das flores recheada de cerejas e avencas partidas para sempre...

Anônimo disse...

Buenas,já fui por demais perseguido pela lua.No retrovisor,na janela do meu carro.Confesso que não tão diabólica...